Ser artista ou ser intérprete, qual a sua escolha?

 

Para agora e pensa: quanta intensidade você está colocando nas coisas que faz? Quanto você se prepara para estar cada dia melhor?

Final de semana passado reuniu 3 dos dias mais importantes pra mim nesse ano: aconteceu o evento ao vivo do Moving Up – nosso curso online de alta performance – o qual eu tive a honra e prazer de organizar.

Como se não bastasse toda a emoção de ver o evento acontecendo e sendo muito bem sucedido, no segundo dia eu subi no palco para fazer a apresentação do Gabriel. E para chegar no que eu queria falar foram alguns momentos de reflexão, direta e indireta.

Com isso ganhei mais uma oportunidade de entender um pouco mais sobre mim mesma, sobre minhas buscas de hoje em dia, sobre porque eu também quero hoje viver na minha máxima performance, de segunda a segunda, sem pausa, sem respiros, sem desculpas.

Vire e mexe, entre muitas pessoas que se apaixonam e veem total sentido no que nós chamamos de #HighStakesLifestyle (viver a sua arte e colocar muita action e alta performance nisso), sempre tem uma ou outra que não enxerga a beleza e o poder desse conceito.

Algumas pessoas até se assustam com isso… já vi e ouvi algumas dizendo que isso não é vida, que assim não dá para ser feliz, que estar sempre em busca de algo a mais é frustrante e triste.

Você também pensa assim?

Então vamos lá…

Primeiramente, eu vejo beleza em justamente podermos querer estar nessa incansável busca por mais. Isso não significa estar tentando consertar algo, mas sim se aprimorando. Dando sempre passos a frente. Vai dizer que você não deseja isso?

Todo mundo tem seus ídolos, pessoas em que se inspira e que admira com todas as forças.

Pois então, se você parar um segundo para analisar vai ver que as pessoas que mais te inspiram, que por qualquer que seja o motivo são referência para você em alguma coisa, nunca param.

Sabe por que? Porque elas vivem sua arte, e sendo assim, elas são o que falam. Na analogia do artista seria como dizer que são artistas de verdade, não intérpretes.

Não tem como ser de outro jeito. Não cai do céu e nem é fácil. Todo processo de evolução (que vem seguido de realização) é duro. É duro mas prazeroso, basta você modelar a forma como quer enxergar isso.

Pensando nisso, hoje eu não consigo mais considerar não viver assim, indo atrás de tudo que me faz ser melhor na minha arte, desde motivação diária até o que há de mais avançado na ciência da performance humana.

“Sempre contente, mas nunca satisfeito”, esse é o lema, o meu e de todo High Stakes (quem escolhe se aventurar em viver no seu máximo em todas as áreas da vida).

É também por isso que hoje eu penso que se você quer viver leve, “deixando a vida te levar” e parando a cada 5 dias (porque sábado e domingo é dia de não trabalhar), provavelmente é porque você ainda não encontrou a sua arte, e isso te faz não aceitar o jogo duro.

É mais ou menos como quando você se apaixona… a maioria das pessoas quando ama alguém sente vontade de gritar isso pro mundo. Uns são mais abertos, outros mais discretos… cada um a seu jeito, mas o grito quase sempre vem.

Então, assim como faz o apaixonado, faz o artista também… vem daí a vontade louca de melhorar a cada dia para poder gritar pro mundo sua arte e atingir cada vez mais pessoas, com algo cada vez mais bonito, mais eficiente, mais único e envolvente.

Masterização… é isso que toda artista busca, mas ela só é possível quando você abraça com todas as suas forças o jogo duro da alta performance.

“Tá, mas e se eu quiser ir mais leve? E se eu quiser dar pausas para minha evolução, meu autoconhecimento, meu aprimoramento como pessoa e profissional?”

Você, pode, claro! Seu ritmo é você quem escolhe, assim como suas prioridades e seu foco, mas você precisa ter consciência que tudo isso direciona se você será artista ou intérprete.

E não tem certo e errado, você escolhe o que te faz feliz. O que eu estou querendo te mostrar é que se você sente tanta necessidade de “respiros” ao longo do caminho talvez esse seja um indício de que ainda não encontrou sua verdadeira arte. Aquela coisa pela qual você é alucinado e na qual quer se tornar o melhor do mundo para deixar isso como legado.

Esse é o oxigênio do artista…é por isso que não importa o quão bem sucedido seja o seu espetáculo, ou o lançamento de um produto; por isso que não importa quantas medalhas ele ganhe numa competição ou o récorde que ele bata; por isso que não importa a nova invenção que ele traga ao mundo… independente dos resultados, no dia seguinte ele está sempre no mesmo lugar de novo… masterização da sua arte.

Porque o artista não atua pelo curto prazo. Ele não atua esperando aplausos, ele atua para sentir e fazer o outro sentir, independente de qual seja o sentimento. Ele só precisa SER. E ser cada dia melhor, cada dia mais. Primeiramente por si e depois pelo mundo.

É essa crescente que alimenta o profissional que é artista, é essa busca incessante por quem ele pode ser. E por isso que a arma principal do artista é ser aberto para a experiência: viver coisas novas, conhecer pessoas novas, conhecimentos novos… testar e nunca parar.

Vem dessa reflexão a minha reformulação do que seria a minha melhor versão.

Eu não acredito mais que um dia vou poder dizer que encontrei minha melhor versão, porque na verdade ela não existe. Não existe porque a cada dia ela é uma, assim como eu sou uma a cada dia, e assim como minha loucura é uma a cada dia.

Hoje minha felicidade é ter realmente entendido isso, sentir verdadeiramente o desejo de ser meu melhor todo dia.

O meu caminho para chegar nisso? Foram dois: me apropriar inteiramente da minha loucura e viver a minha arte, every single day.

“Muitas pessoas não tem ideia da enorme capacidade que temos a partir do momento que focamos todos nossos recursos para masterizar uma única área de nossas vidas” – Tony Robbins

Eu sinto assim: levar minha arte para o próximo nível é ser e me se sentir cada vez mais, fazendo algo que encanta e serve de ferramenta para cada vez mais pessoas serem e se sentirem mais também.

Não seria isso o que você deseja também, a partir do momento que você faz o que ama? Então porque querer tantas pausas na vida, porque tanto obstáculo para a evolução pessoal e porque tanto julgamento para os desejos daqueles que querem chegar no seu máximo e se entregam a essa busca?

Quando você descobre aquilo com que realmente se importa, nada mais interessa que não fazer isso crescer, crescer e crescer.

Escrevi tudo isso hoje para te ajudar a refletir também, sobre sua arte, sua loucura e sua evolução. Porque essa é uma das minhas formas de gritar a minha arte e o meu amor.

E hoje eu só consigo achar isso lindo e libertador.

Então queria que parasse para pensar um pouquinho se você não está podando sua própria loucura. Se você ainda não encontrou sua arte, esse pode estar sendo o seu maior obstáculo. Se você já a encontrou esse é, a meu ver, o principal elemento para vivê-la intensamente e poder levá-la para o próximo nível.

Agora, se você nem quer mais saber das pausas e só pensa em abraçar a alta performance e voar, aqui… High Stakes Week! 7 dias de imersão no mundo High Stakes, para você performar com nunca imaginou! E tudo pela arte 😉

Te espero aqui nos comentários, vou adorar saber as reflexões que isso tudo te ajudou a ter!

 

  • Jansen Osório

    #ACTION!

    • Marina Teixeira

      #arte.
      🙂

  • Lucilene Maidana

    Marina, sempre com textos reflexivos e inspiradores.
    Gratidão por conceder esta pílula de motivação para a semana…
    E é isso mesmo… se estamos focados em masterizar a nossa arte, a dedicação deve ser de 100, ou melhor, 110%.
    Isso nos faz sentirmos realizados, pois sabemos que estamos trabalhando na construção do nosso sonho! ?

    • Marina Teixeira

      E o melhor… a gente constrói os nossos ajudando os outros a construírem os deles. Né? 🙂

  • Marina estou extasiada com seu texto… é disso que eu tô falando! Rsrsrs viver no estado da arte, simplesmente ser 24h o que amamos! Sem carregar peso algum.

    • Marina Teixeira

      Exatamente, Alice 🙂

  • Heloise Amorim

    Oi Marina! Tudo bem? Como faz para participar da highstakesweek? É um evento presencial?

    • Marina Teixeira

      É só inscrever nesse link http://hs.academy/y4mpz, Heloise, e aí você acompanha tudo! O evento é todo online, começa segunda-feira, dia 28!
      Vai ser muito top, pode embarcar nessa 😉

      • Heloise Amorim

        Muito obrigada Marina =) Inscrição feita

  • Qual a sua arte Marina? Ou qual das suas artes está aprimorando nesse ano ?

    • Marina Teixeira

      Tenho algumas :D, mas destacaria duas:
      A mais instintiva é a dança, se expressar através do movimento. Ser, sem limites!
      A que eu desenvolvi: experiência! Se importar com o outro e gerar para ele experiências. É esse que venho aprimorando hoje, unindo todos meus interesses e paixões à profissão; experiência do cliente e do colaborador.

  • Aguiar Jean

    Fiquei realmente comovido com seu texto. Inspirador. Muito Obrigado.

    • Marina Teixeira

      Um prazer, Aguiar!

  • Dani

    Realmente muito inspirador mesmooo… muito grata… como seguidora do Goffi agora também sua, ainda estou em busca da minha arte, estou na fase que faço muitas coisas e amo o que faço, é essa loucura, mas quero masterizar realmente minha arte. Estou caminhando pra isso, lendo e acompanhando vocês. Muito grata!!!!!

  • Danielle Melo

    Marininhaaaa! Desculpe a intimidade…uma maneira fofa que o Goffi a chama. Você me inspira!! Quando eu crescer quero ser igual a você!! rsrsrs…acho que duas coisas andam juntas AMOR e ARTE. É um contentar-se de contente, é querer está preso por vontade…
    #BorapraAction