Quanto você suporta o (seu) silêncio?

 

Quando foi a última vez que esteve em silêncio com você?

No elevador a gente conversa, com a melhor amiga a gente aceita o silêncio. Na fila de espera a gente conversa, com o parceiro a gente troca olhares e mantém o silêncio.

E você com você mesmo, como que fica?

No último feriado eu fui para uma região bem afastada em Maraú, Bahia. Lugar pouco conhecido em que você só chega de barco.

O caminho para chegar lá já é uma experiência deliciosa e 20 minutos de barco em uma noite estrelada chamam o silêncio.

Fui fazer um retiro alimentar de desintoxicação, uma experiência que eu e o Gabriel adoramos, pois a proposta vai muito além do que você come.

É uma experiência pra você justamente buscar mais esse encontro consigo mesmo: se desconectar do mundo, desacelerar, estar em contato com a natureza… e aí a alimentação é o complemento que fecha tudo com chave de ouro.

Passamos dias muito tranquilos lá… parece mentira, mas era assim: de um lado o mar, do outro uma lagoa maravilhosa. Água doce e salgada contornando um lugar paradisíaco.

E eu só estou contando isso porque, por mais que tudo seja preparado pra você viver essa reconexão,e que eu estivesse num estado muito mais relaxante e de paz, teve um momento em especial em que senti um respeito profundo e uma liberdade plena.

No último dia, depois do almoço, eu peguei um caiaque e fui remar sozinha na lagoa. Remei, remei, e fui bem pra longe… eu realmente queria sentir que eu estava “num lugarzinho do meio do nada”.

A sensação foi incrível, fiquei deitada contemplando o céu, as árvores na margem, o movimento e o barulho da água. Contemplando os sons da natureza e a história que eles me contavam.

O que eu estava buscando já há 3 dias lá, encontrei em 30 minutos de remo e silêncio. De solidão… só eu comigo mesma. Eu me nutrindo do meu silêncio.

IMG_9798-1

E o fato é que esse é o silêncio mais desafiador para a maioria das pessoas.

O mundo é barulhento, o lado de fora está sempre como se estivesse pegando fogo. As pessoas falando, correndo, trocando mensagem, se atravessando…

Nunca contemplando. Ninguém!

É, e quando você para pra analisar isso percebe o quanto é alucinante. Você percebe? Ou melhor… você para? ?

A velocidade da vida é muito louca, mas também é a falta de habilidade da maioria das pessoas pra lidar com isso. A não adaptação.

E o problema maior está nesse barulho, na perda que isso traz para as pessoas. Elas se ausentam não pra si, mas pro nada.

Se você está cheio de barulho dentro de si, você perde a percepção do que são os seus pensamentos e do que vem de fora; suas ideias se perdem, ficam no ar; seus sentimentos se embaralham, você não sabe mais se sente ou se te dizem que você sente; enfim, você entra naquele estágio em que engole tudo e não digere nada… o que entra passa direto, e sobra angustia, falta e a necessidade de algo que você não sabe o que é e porque é.

Isso tudo porque você não respira e não sabe estar com você, não se conhece e nem mais se escuta… porque o silêncio te incomoda.

E não é só você. Eu e quase todo mundo… a gente desaprendeu a estar em silêncio e querer o silêncio.

O normal agora é a gente estar o tempo todo querendo algo de alguém, exigindo atenção e energia, ainda que a disposição pra dar isso seja mínima, muitas vezes zero.

Manda mensagem, fiscaliza, liga, cobra, reclama…sempre uma falta instaurada, sempre o outro sendo demandado (e no fundo eu entendo isso como insegurança, como uma necessidade de ter o tempo todo a aprovação de alguém, de ser visto).

De vez em sempre é necessário ser silêncio. Familiarizar-se à própria presença, tomar consciência da sua solidão e do seu ser. Inteirar-se dos seus passos, do seu caminho.

Expressar-se sem dizer nada.

Não dizem que quando você consegue ficar em silêncio do lado de alguém sem se incomodar com isso é porque vocês atingiram um certo grau de intimidade? E por isso que no elevador você não consegue ficar em paz sem dizer “tá calor hoje, né?”, “Dia corrido”…

Não te soa assustador perceber que muitas vezes você se incomoda com sua própria presença?

Eu venho trabalhando isso em mim diariamente… comecei com a meditação, agora reservo um momento do dia pra simplesmente estar só… olhar, ouvir, pensar, refletir e contemplar.

Semana passada, no chá da tarde (um dos nossos rituais, o High Stakes tea) eu estava refletindo com o Gabriel sobre isso… ele gosta de música nessas horas. Músicas instrumentais, ideias para foco e concentração.

Dessas eu gosto pra meditar . Mas no meu momento de contemplação gosto de ouvir o que tem no mundo, com calma, respirando e sem pressa.

“Mas aí às vezes acontece isso ó, barulho de moto”

E é exatamente disso que eu gosto. Porque entre um ou outro barulho de moto, tem o barulho dos pássaros, do vento, das pessoas andando… isso tudo é história. A natureza nos conta uma nova história todo dia, cheia de cores e detalhes. Eu adoro ver como elas mudam.

Há tempos meditando e agora com esse hábito da contemplação já sinto muita diferença na minha habilidade de suportar e, melhor, apreciar meu silêncio, minha própria presença.

A vida é assim, a gente vai se ensinando, se descobrindo, se amando…

E dessa minha experiência eu te digo, não demora muito pra gente aprender a usar o silêncio como uma forma de se equilibrar, de trabalhar o foco e a atenção; de relaxar, sentir e se conectar com suas próprias emoções… de ser grato!

Ao contrário do que você pode pensar, o silêncio não é improdutivo. Pelo contrário, aos poucos você descobre que ele é empoderador. Libertador!

Eu sei criar silêncio. É assim: ligo o rádio bem alto – então de súbito desligo. E assim capto o silêncio. Silêncio estelar. O silêncio da lua muda. Pára tudo: criei o silêncio. (…) O silêncio não é o vazio, é a plenitude. – Clarice Lispector

Sim, eu sei, o mundo está correndo e você não quer e nem pode ficar pra trás. Só cuidado pra não se atropelar. Respira!

Quem determina sua velocidade é você. É você que decide quando freia e quando acelera. E ambos fazem parte de uma boa corrida.

O silêncio, o respiro e a contemplação são uma recarga. Pelo menos são a minha.

E espero que esse texto te faça refletir e te ajude a trazer mais do seu silêncio pra você. E que você consiga olhá-lo com outros olhos agora.

Eu vou adorar saber aqui nos comentários como é o silêncio pra você e se você tem algum ritual assim de contemplação… algum momento em que você se permite parar, respirar e admirar. ❤️

 

  • Jansen Osório

    Cara, que texto magnifico! Valeu, Marininha! Essa pílula semanal tem sido incrível! Obrigado mesmo!

    • Legal te ver tão presente por aqui também, Jansen!
      Abração,
      Goffi

      • Jansen Osório

        Tmj!

    • Marina Teixeira

      Show, Jansen, esse é o objetivo 🙂

  • Maria Fernanda Ayres Nogueira

    Simplesmente amei. Há um tempo, tinha dificuldade em me ver sozinha, desconectada da internet, dos outros, do mundo. Hoje descobri que preciso do silêncio, da solidão, da paz que isso me traz. Me vem à cabeça a imagem de um pote cheio de areia e água, rodando, e que quando se para de rodar, ele lentamente vai diminuindo a velocidade até a areia assentar. Sinto que na minha cabeça ocorre o mesmo quando consigo desacelerar e curtir meu silêncio…

    • Marina Teixeira

      Adorei a metáfora!
      <3

  • Lucas Cubas

    Boa Mamá, continua nessa pegada de se abrir sem vergonha do mundo, ta muito lindo e essa reflexão em especial, tenho certeza que fez e ta fazendo muitas pessoas refletirem.

    • Marina Teixeira

      Obrigada, Lucas!

  • Bianca Holanda

    “Spend some time alone and learn to develop your personal resources”. ☺️

    • Marina Teixeira

      <3

  • Lilia Buraga

    Mais uma ” pílula” de qualidade! Parabéns Marina! Esse tema, também, me é muito próximo. Desde pequena gosto explorar o silêncio, por que isso ajuda-me imenso trabalhar os meus defeitos, assimilar certos acontecimentos e , claro, observar pormenores do dia a dia, que num ritmo ” normal” é impossível. Mas que me agradou mais, foi descobrir ” o silêncio” no barulho de uma cidade grande. É mesmo como a Marina diz: – ouvir, pensar, reflectir e contemplar. Obrigada Marina por abordar este assunto ! Uma ótima continuação da sua jornada!

    • Marina Teixeira

      Olhar, ouvir, pensar, refletir e contemplar… 🙂

      É quando a gente se permite pro silêncio que os detalhes aparecerem cheios de cores, né?
      Bom te ver aqui, Lilia!

  • Ricardo Rikka

    que massa!! morei em Taipus de fora em 2011 tinha acabado de chegar de Nova york , trabalhei na Pizzaria italiana Porto Fino aquele verão, lugar magico!! de muito silencio para min com muito significado, muitas lembranças de um momento muito importante da minha vida, Gratidão! manda um beijo pro Goffi!! ta show o seu blog e suas reflexões,,, Avante Marina!! bjss,, :))

    • Marina Teixeira

      Valeu, Rikka!

  • Lucas Davidson

    Atrás da empresa que eu trabalhava tem um matagal com um rio, ia sempre
    que podia ficar ouvindo e observando a natureza, teve um dia até
    presenciei uma família de macaco. Era bem nítido quando voltava do meu
    espaço com a natureza para dentro da empresa a mudança de ambiente, mas a
    calma dos meus pensamentos fez sempre estar focado e concentrado.
    Durante anos me nutriu de coisas simples, mas vital.

    • Marina Teixeira

      Que lindo. Amei 🙂

  • Gustavo Miranda

    Meu ritual de silêncio é olhar pro céu. Procuro sempre sentar perto de janelas quando estou no colégio ou ônibus. Passo minutos olhando e refletindo. Isso me acalma, transforma, melhora

    • Marina Teixeira

      E é um belo ritual, Gustavo 🙂

  • Renan Mattos

    Ei Marina, passei de manhã pra me inspirar um pouquinho e olha o que achei ;D
    Bom primeiramente parabéns pelo trabalho maravilhoso, ñ só aqui como na HSA tb.
    Me identifiquei muito com esse post porque me sinto perturbado as vezes pela falta do silêncio.
    Deve ser um dos motivos que me levou a amar o mergulho!!
    Pela imensidão, imersão, o silêncio, a contemplação de coisas tão lindas, impactantes.
    Uma das técnicas do mergulho é controlar a respiração pra conseguir diminuir seu consumo e passar o maior tempo possível debaixo d`água, o que lhe faz meditar de olhos abertos em um mundo magnífico!!
    se vc e Gabriel nunca tiveram essa experiência, recomendo D+ abraça todos os princípios e filosofias que vcs estão vivendo!!
    Obrigado por nos dar oportunidade de conhecer um pouquinho da sua vida, e um espaço para gnt compartilhar nossa idéias!! ;D
    Beijos e muito obrigado!