Nem coincidência, nem acaso… estratégia!

 

Você acredita em coincidências?

Quantas vezes já não deu crédito para vários acontecimentos dizendo que eram “coincidências”?

Eu prefiro não acreditar em coincidências… Pra mim tudo é uma questão de criar sensibilidade para as coisas e é disso que eu vou falar nesse texto.

Ano passado uns amigos falaram super bem pra gente do Eataly, um mercado/ restaurante de comida italiana que tem 29 lojas no mundo. O de Nova York estava já há um tempo na minha lista de restaurantes a serem conhecidos, mas até então eu estava por fora se o recém aberto em São Paulo era tão interessante quanto.

Pronto, não podia ser diferente… no dia seguinte, por acaso, passamos em frente ao Eataly e descobrimos que o restaurante era pertinho de onde costumávamos ficar quando vínhamos para São Paulo. E a partir de então parece que começamos a passar naquela rua com muito mais frequência…

Coincidência? Eu não chamo assim.

É até que comum ver aqui nos comentários do blog as pessoas dizendo que tal texto foi total de encontro com algo que elas tinham escutado/ discutido recentemente. Só que esses dias me chamou a atenção um comentário que parecia querer ser finalizado com um “que coincidência!”.

Quando você traz alguma coisa pra sua sensibilidade é como se ligasse o radar para ela, e aí chance de enxergá-la/ percebê-la aumenta exponencialmente. E obviamente que isso é estratégico!

Por exemplo, quando você passa a se interessar por uma novo assunto, que seja produtividade, e começa a estudar sobre isso, não vai ser coincidência se em poucos dias você descobrir que vai ter um congresso online sobre o tema, ou que algum conhecido seu conhece o maior especialista da área…

Assim como não é coincidência quando uma mulher grávida comenta “nossa, parece que agora está todo mundo tendo filho”.

Isso é sensibilidade seletiva, é trazer pra sua sensibilidade os seus verdadeiros interesses.

A cada dia que passa é maior a overdose de informação e estímulos que chegam até nós diariamente, e ter uma sensibilidade e atenção seletivas é não só nossa maneira de estar no mundo hoje, mas também de conseguirmos ser produtivos e priorizarmos o que são realmente nossas prioridades.

Nosso inconsciente é “poluído”, primeiramente por memórias do passado, e em seguida por tudo isso que vem e vai num ritmo frenético todos os dias.

Esse conjunto de coisas nos gera um estado de ansiedade que nos insensibiliza, cria uma nuvem na nossa cabeça e aí compromete: 1) nossa atenção e presença; 2) nosso foco; 3) nossos processos criativos; 4) nossa capacidade de de enxergar/ criar oportunidades; 5) nossos resultados.

?

Pois é…. como transformar então isso numa bola de neve positiva?

Aumentando sua sensibilidade para coisas positivas, para o que te interessa e te beneficia.
E aí uma coisa vai levando a outra!

Você precisa ter duas habilidades bem desenvolvidas para aumentar sua capacidade de sensibilidade: autoconsciência e presença. Como fazer isso?

Eu já falei aqui sobre o poder do silêncio… do silêncio como um meio de você desacelerar, se desconectar do mundo e reconectar consigo mesmo. Com um meio de você não se perder achando que é de dentro o que vem de fora.

“De vez em sempre é necessário ser silêncio. Familiarizar-se à própria presença, tomar consciência da sua solidão e do seu ser. Inteirar-se dos seus passos, do seu caminho”.

Trabalhar o silêncio te traz paz, presença e conexão.

E sem dúvidas uma das melhores formas de potencializar as habilidades de autoconsciência e presença, e ainda otimizar o seu silêncio, é através da meditação.

Com certeza você já ouviu muito falar sobre meditação, não é a toa que ela é cada vez mais discutida e praticada no mundo todo. Muitas pesquisas e casos de sucesso ao redor do mundo comprovam os benefícios da meditação… os que nos interessam aqui: aprender a ser mais calmo, presente, resiliente e intuitivo.

Portanto, se você ainda não medita, eu recomendo fortemente que comece uma experiência.

Uma terceira forma de aflorar sua sensibilidade é aumentando seu nível de clareza sobre seus objetivos. Quando você tem clareza sobre o que você quer fica muito mais fácil direcionar seus pensamentos e sua intenção pra isso. Fica muito mais fácil ser seletivo com o que chega até você (sejam pessoas, ideias, barulhos, sonhos, oportunidades…) e priorizar o que faz sentido para o caminho que você escolheu.

E assim como você tem que selecionar o que é bom, tem também que deletar todo e qualquer lixo mental, qualquer coisa que aumente sua sensibilidade para coisas negativas e te deixe pessimista, reativo e com medo.

É impressionante o tanto de tragédia, violência e negatividade que vemos nas mídias hoje em dia, além da quantidade de comentários vazios e mal intencionados que ouvimos diariamente. Muitas pessoas não fazem ideia do quanto isso as afeta negativamente…

Em 2012, uma pesquisa conduzida por Shawn Achor e Martin Seligman na Universidade da Pensilvânia mostrou que assistir alguns minutos de notícias negativas pela manhã pode afetar o seu estado emocional pelo resto do dia. Em 2015, em parceria com Arianna Huffington, Achor promoveu um novo estudo que atestou que esse estado emocional negativo afeta a performance no ambiente de trabalho.

Portanto, tem que atacar dos dois lados. Aumentar a sensibilidade para as coisas positivas e que vão trazer resultados, e se blindar para evitar qualquer coisa que te sensibilize para as coisas erradas.

Quanto mais clareza você tem dos seus objetivos, mais seus pensamentos estão alinhados e sua mente preparada para direcioná-los, mais “coincidências” tendem a acontecer… mas isso na verdade é você usando sua sensibilidade para criar oportunidades.

E talvez você não tenha ainda parado para pensar nisso, mas aflorar sua sensibilidade é também uma forma de potencializar sua criatividade e aí, consequentemente, de potencializar sua capacidade de enxergar e criar mais possibilidades.

Da clareza vem o foco, e esse aliado ao silêncio alimenta nossos processos criativos. E a sensibilidade vem para canalizá-los, transformar ideias em oportunidade reais.

Conseguir trazer as coisas para sua sensibilidade é mais do que estar no controle de si, é se empoderar, se permitir ser, independente das circunstâncias. Isso me fascina na vida e é por isso que senti necessidade de escrever esse texto quando vi no blog um comentário que cambaleava para ser concluído (e interpretado) com uma simples coincidência.

Você pode acreditar em coincidências, mas ainda nesse caso eu queria te deixar a mensagem para que não se deixe vencer por elas.

O ponto nem é tanto a sensação de satisfação “o mérito é meu”, mas sim a realização de realmente estar escrevendo a sua histórias, de ser protagonista e não mais intérprete. Enfim, de escolher estrategicamente!

Se essa ideia te agrada, faz o seguinte…

Escolha dois objetivos principais que você tem hoje, um pessoal e outro profissional. Depois faça uma lista de tudo que você acha que poderia encurtar seu caminho para atingir esses objetivos ou o que poderia potencializar seu caminho até eles.

Colocar no papel e gerar essa clareza vai te ajudar a trazer mais sensibilidade para essa etapas que constroem as oportunidades.

Eu gosto muito mais de saber que criei uma situação, que moldei minha ações e intenções para atingir meus resultados, do que aceitar que os encontros e desencontros, as oportunidades e importunidades, e, por fim, os resultados são simplesmente coincidências. Concorda com isso?

Me conta aqui nos comentários se isso faz sentido pra você também e se você já passou por alguma experiência que interpretou como coincidência e agora consegue enxergar que você a gerou trazendo para sua sensibilidade.

 

  • Felipe Loures

    Acho que eu cheguei a ver o comentário que a inspirou para esse post!hehe…massa demais Marina!
    Mais uma vez Parabéns! O lance da sensibilidade seletiva é sim fato. Nosso Sistema Ativador Reticular Ascendente que gerencia essa loucura, né!? Então, vamos de foco na positividade, na tranquilidade e nas metas! Good vibes!

    • Marina Teixeira

      Haha, isso mesmo, Felipe, o SARA!
      Cito ele no próximo post também!
      Good vibes 🙂

  • Pedro Mergulhão

    Excelente visão! Venho a algum tempo tentando praticar a meditação, porém tenho encontrado muita dificuldade para me concentrar e me dedicar a isso. O mais engraçado é que geralmente não tenho dificuldades para me concentrar em algo como (livro, cursos e estudos) mas a meditação especificamente tem sido um desafio. Sou aluno do Goffi no moving up 1.3, assisti ao curso por completo, porém já iniciei diversas vezes o Bônus sobre meditação e não consigo seguir adiante. (O problema não está no curso, o Will passa o conteúdo de uma maneira muito agradável e de fácil entendimento). Vou me esforçar ainda mais para isso, e volto com o resultado. Grande abraço!

    • Thiago Honório de Almeida

      Pedro, a meditação assim como qualquer outra prática é um processo evolutivo. No começo pode ser mais difícil, mas se você continuar com a prática durante alguns dias seguidos não tenho dúvida que você começará a sentir melhoras. Mas lembre-se que a dificuldade que você está tendo já é a prática! A prática nada mais é que sentir que o pensamento fugiu e voltar ao momento presente, fugir e voltar, fugir e voltar ….. Te recomendo algumas meditações guiadas, o aplicativo Insight Timer tem bastante conteúdo. Abcs e boa sorte!

      • Pedro Mergulhão

        Muito obrigado pelas dicas Thiago, estou conseguindo me dedicar essa semana e estou muito feliz com os resultados. Estou em um desafio de uma semana

    • Marina Teixeira

      Pedro, às vezes o desafio vem da ansiedade de não saber o que vem depois e querer logo ver e sentir os resultados.
      Será que não pode estar acontecendo isso?

      • Pedro Mergulhão

        Sim Marina, concordo que a ansiedade pode estar influenciando nisso, inclusive foi uma ótima visão sua sobre a situação. Muito obrigado por me deixar presente para isso.

  • Fernando Lago

    Dentre todas as coisas que o Moving Up me trouxe de maravilho, o poder de estar na mesma sintonia com pessoas como você, é muito gratificante… Gratidão sempre.

  • Márcio Leyes Dutra

    Texto muito bom. Gostei de limpar a cabeça do lixo para aflorar a nossa atenção seletiva sobre o que estamos interessados. A meditação traz esse estado de consciência sobre os pensamentos.

  • Adriana Pestana Greenhalgh

    Isso Marina!Vc tem toda razão sobre “coincidências”…incrível como as coisas acontecem quando estamos conectados de alguma forma…acredito que atraímos tudo que queremos e o contrário tbm e a meditação nos ajuda muito a clarear nossas ideias… ainda estou buscando esta prática mas ainda não consigo que seja diária…mas vou continuar buscando… grande abraço!