4 reflexões poderosas para se fazer antes de começar um novo ano

 

as duas últimas semanas foram difíceis. bem difíceis. daquelas que você olha no espelho e pensa, “tough life”. sabe?

é, não é nada mole ter um negócio, ter sócios, liderar pessoas e dedicar sua vida a algo. e não ser fácil não significa que não seja incrível.

significa apenas que os desafios são muitos. e nesse tanto e muitos, em um dado momento, me peguei pensando “chega logo, 2017”. me peguei buscando fora de mim o sentimento de renovação, de algo novo, fresco.

e não só isso. buscando também o sentimento de virar a página e se ancorar em novos objetivos para aliviar a pressão (ou frustração) do momento. a ilusão do “new years resolutions”.

como eu imagino que em algum momento você também já se sentiu assim, cá estou…

segundos depois de chamar 2017 eu já tive o estalo, “é óbvio que não é esse o caminho”. porque então, em vez de querer olhar dois passos a minha frente, eu não paro, olho onde estou e como eu caminhei até aqui?

de que adianta começar um ano virando a página se assim eu estou deixando para trás aprendizados e experiências que me fizeram crescer? se assim estou também deixando de desprender de mim coisas que não quero mais carregar?

hoje você já deve estar vendo por todo lado dicas e orientações sobre como traçar suas metas para 2017, mas eu vim fazer o oposto.

vim te propor olhar para trás antes de olhar para frente. para viver 2016 até o último segundo e assim decidir o que fica e o que vai.

vim te propor para não apenas virar a página e começar uma nova história, mas para decidir do que você quer desapegar antes de prosseguir e começar o ano leve, com a mente clara e o coração cheio de espaço.

um convite à profundidade, a sua profundidade…

tem muita sabedoria em parar, refletir e analisar tudo que aconteceu nos últimos doze meses, basta você saber aproveitar isso. eu vim te propor 4 coisas para pensar a respeito para tirar o melhor do seu ano, você pode escolher ir muito além 🙂

comece olhando para trás e reconhecendo tudo a que você deu vida esse ano.

o que você protagonizou? por quais experiências passou? do que você se orgulha agora?

é, a gente vive com a nossa autocrítica lá no céu, deixando chegar as cobranças do mundo de que nunca entregamos o suficiente, produzimos o suficiente, somos suficientes…

e daí seu primeiro pensamento para essa pergunta já pode ter sido, “mas no fim eu não fiz nada, tinha mil planos para o ano e a maioria não saiu do papel”. eita, não se torture assim.

eu sei, a vida não espera. e particularmente vejo muita beleza nisso, pois esse dinamismo e velocidade nos forçam a ser muito mais intensos. mas intenso não significa perfeito, e você não pode deixar sua vontade de fazer sempre mais intimidar seu próprio reconhecimento, fazê-lo sentir não-suficiente, murcho.

pega seu calendário e relembra tudo o que você fez, criou, experenciou, aprendeu, inspirou, ensinou… viveu esse ano.

toda e qualquer coisa que você colocou seu dedo, que tem pelo menos um pouquinho da sua arte envolvida e que hoje está no mundo.

não importa se foram grandes coisas ou não (pro mundo né, porque para nós sempre é e deve ser grande)… abraça isso, pega pra você esse sentimento de realização, comemora o que tem que ser comemorado.

aí, depois que você enxergar tudo que fez e dedicar a isso seu devido valor, comece a analisar todos seus erros antes de dar início a um novo checklist.

esse é o momento de encontrarmos falhas, gargalos, pontos cegos, assim como ideias geniais e tiros certeiros. essa é a chance que temos de fazer algo ser 10x melhor da próxima vez.

no ballet eu sempre fiz assim, pegava o vídeo das minhas apresentações para ver o que eu tinha errado, o que precisava melhorar, o que era erro técnico e o que era só falta de treino.

engraçado, no mundo dos negócios é a mesma coisa… todo projeto ou ação passa depois por um processo de análise, de debriefing, afinal, é aí que mora o aprendizado.

mas já parou para pensar que quase nunca a gente faz isso com a nossa vida, com tudo aquilo que depende única e exclusivamente apenas da gente? que a gente simplesmente não se dá a oportunidade de aprender com os erros e acertos e escolhe quebrar a cara mais de uma vez?

e nem se trata apenas de aprender com os erros, mas também de gerar clareza sobre cada passo que você deu, cada decisão que tomou, cada escolha que fez. é saber como você passou por algo para aí sim poder embarcar em um novo desafio.

e aí eu te pergunto, de que adianta virar a página e criar novas metas para 2017 se você não tem clareza se está pronto para elas?
esse é o momento de consolidar as lições que tirou de tudo que viveu. a vida não espera, não é?! então não a deixe passar.

quando você faz essa retrospectiva você também se coloca no poder de decidir o que quer deixar em 2016 e o que quer levar com você.

atitudes, pessoas, projetos, sonhos, crenças, sentimentos… o que continua hoje fazendo sentido para você?

não é porque um projeto ainda não saiu do papel que você precisa fazê-lo ser real. a mesma coisa com sonhos, com pessoas que estão na sua vida… se o timing passou, se o porquê não existe mais, deleta e pronto.

tudo que te atrasa ou tudo que não te define hoje, deixa para trás, sem remorso. siga leve, com a mente e o coração abertos para você ser, de fato, quem deseja ser.

e aí entra o quarto e último ponto para refletirmos juntos…

quem você quer ser em 2017?

de novo, o comum é nessa hora as pessoas estarem falando dos planos para 2017, fazendo novos comprometimentos e alimentando a ilusão que “dessa vez vai”.

se mais uma vez você começar pelo checklist, pelas coisas que quer realizar, as chances de no fim ter dado vida a menos coisas do que queria é grande.

então antes de pensar em qualquer coisa, pense primeiro em quem você quer ser. pense em essência, em profundidade, em valores.

sem dúvidas isso vai te ajudar a definir o que fica e o que vai para 2017, mas acima de tudo vai te colocar no seu próprio caminho.

eu fiz exatamente isso essa semana. fui a fundo na reflexão: quem eu quero ser? que mulher, que parceira, que executiva, que líder, que filha, que amiga…?

são tantos papéis… cada um com seus objetivos próprios, com suas ambições e seus porquês. e claro, com seus desafios.

tenho certeza que você também passa por isso, e se está com a clareza de quem você quer ser, fica muito mais fácil definir suas fronteiras, suas prioridades e seus limites.

pensa bem, quantas coisas não saíram do papel esse ano não por falta de tempo, mas porque não tinham um verdadeiro sentido para você e, por isso, em nenhum momento foram sua prioridade? será que você tinha clareza do que estava fazendo e para onde estava indo?

essa semana foi assim para mim, de muita aceitação e preparação, não pensando nas minhas metas para 2017, e sim em quem eu quero ser, em cada um dos papéis que assumo e escolho assumir.

fazer esses 4 passos me ajudou não apenas a conseguir limpar minha mente e focar no que realmente importa, mas também limpar minhas emoções e meu coração. me sentir livre, leve e solta.

apesar dos furacões, agora tô pronta para 2017. sem pressa, sem querer virar a página e me ancorar numa nova história. sem querer atropelar meus processos.

e quando digo que esse é um convite à profundidade, é por isso… para você olhar para trás e para dentro e, quem sabe, perceber também que melhor do que começar uma nova história é mudar o rumo da sua. você pode mudar os personagens, o tema da história, ou o que mais quiser.

mas antes disso, reconheça tudo que fez, aprenda com seus erros, decida o que fica e o que vai com você, e, principalmente, quem você quer ser amanhã.

“without reflection, we go blindly on our way, creating more unintended consequences, and failing to achieve anything useful.” – margaret wheatley

esqueça o checklist e dê vida a tudo isso. daqui 12 menos você vai estar cheio de orgulho de si e vamos comemorar juntos. te espero por aqui para isso 🙂

 

  • Jessica Alencar

    Levei comigo e vou ajudar muitas pessoas com sua reflexão Marina. Amei. Obrigada.

  • Juliana

    Nossa Marina, que texto surpreendente e pertinente ao momento. Parece clichê, mas nunca tinha lido nada parecido com essas “dicas” de fim de ano. É muito comum sempre ler sobre “trace suas metas para o próximo ano” né?
    Olhar para trás, nos ajuda muito a saber o que precisamos tirar da nossa vida e o que precisa ficar. Inconscientemente, agora lendo o texto, fui lembrando dos meus feitos e não feitos e de como eu me senti com cada uma das situações e é impressionante o quanto isso nos mostra o que somos e o que precisamos ajustar conforme nossa essência.

    Te agradeço muito por compartilhar teus textos, eles de verdade me ajudam muito.

    #gratidao #reveroquepassou #oquevocequerser #oquevocerealmentee
    #marinaobrigada

  • Maria Fernanda Ayres Nogueira

    Maravilhoso!

  • Leonardo Facchini

    Excelente reflexão, a sacada foi pensar em eu quero SER em 2017. Obrigado, aproveito para compartilhar um vídeo que gravei a respeito do final de ano, https://www.youtube.com/watch?v=SsFx0BIDNOU

  • Janaína Sete

    Que lindo! Confesso que já havia feito essa retrospectiva e estava com o coração transbordando de gratidão por tanto crescimento. Mas agora antes de fazer um check list para as metas de 2017, vou decidir o que fica, o que vai e quem eu realmente quero ser! Essa clareza irá me acompanhar em 2017 e será fundamental para guiar minha action e me permitir atingir minha alta performance. Gratidão por esse post lindo e por me ajudar a ver as coisas sob uma nova perspectiva! Você gera um valor imensurável de uma forma tão delicada e sutil! Gratidão e um 2017 repleto de muitas alegrias pra você!!! 🌹😘

  • Cassandra Naiff Oliveira

    Como sou sua fã, é suspeito dizer… Mas de uma forma bem paraense, vou expressar o que eu achei: égua! que texto incrível (égua=surpresa, admiração, o mesmo que wow!!!).
    Marina esse texto é uma palestra, um momento de reflexão para ser compartilhado na família, com os amigos, e no trabalho… Assim, peço sua permissão de transformar ele em uma apresentação, reunir minha equipe de manutenção e fazer nossa reunião de encerramento do ano. Posso usá-lo? E depois na família, e depois com os amigos, e ainda nas confraternizações dos grupos de estudo do centro espírita, dos colegas de faculdade e etc e tal. Muito bom mesmo.

  • aline

    MArininha, que maravilha ler seu post.
    Eu precisava justamente disso. Começarei ainda hoje!
    Respect!
    Gratidão
    Beijos
    Aline Barr

  • cynthia cardoso

    Maravilhoso post Marina .. vc tem uma profundidade e delicadeza impressionantes … bem isso mesmo de fechar os ciclos antes de começar os novos … grande beijo p vc !!

  • Fernanda Patrícia Suguiama

    Gratidão!

  • Aline Barretto

    Como vc é boa na sua arte!!!
    Precisava disso Marininha!
    Respect!
    Gratidão!

  • Nossa, amei esse texto! Não canso de dizer: você tem uma sensibilidade incrível com as palavras. É, de fato, uma artista! 🙂

    Engraçado que antes mesmo de chegar na parte “no ballet eu sempre fiz assim, pegava o vídeo das minhas apresentações para ver o que eu tinha errado, o que precisava melhorar, o que era erro técnico e o que era só falta de treino”, eu já estava pensando sobre os exercícios que eu gravo justamente para ver e corrigir possíveis erros. É algo que sempre recomendo às leitoras/coachees.

    No ballet, na musculação, nos negócios, nos relacionamentos… Em absolutamente tudo nós deveríamos ter a mesma postura.

    Obrigada por trazer essa reflexão! Eu já queria analisar o ano de 2016 antes que ele acabasse, mas com esses 4 tópicos a análise vai ser muito mais proveitosa e profunda. ❤️

    Que o ano de 2017 seja ainda melhor! Não porque as circunstâncias mudaram, mas porque nós mudamos. Beijo grande!

  • Liria Assay

    Perfeito texto,me fez refletir muito e com certeza sem essas reflexões ,vamos continuar fazendo planos e muitos talvez sem realiza-los.Obrigada Marininha por compartilhar!

  • Maria Clara

    Lindo! Amei! Parabéns por esse texto, foi importante para mim. <3

  • Bruna Rodrigues

    Muito obrigada por me ajudar a renovar o meu “eu” com essa reflexão, Marina!! 😉 bjinhos

  • Jose Carlos M C

    Quero te agradecer muito pelas reflexões que você colocou nesse lindo e rico texto. Gostei demais pois estou nesse momento no processo de definir o que fazer em 2017.
    Mas você me alertou que não basta fazer um check list apenas e pronto.
    E preciso ter uma metodologia com um propósito maior. Mas abrangente.

    Estou concordando com a sua metodologia e vou coloca-la em seguida para me auxiliar nessa reflexão que propõe:

    1- eu vim te propor 4 coisas para pensar a respeito para tirar o melhor do seu ano, você pode escolher ir muito além 🙂

    comece olhando para trás e reconhecendo tudo a que você deu vida esse ano. <<<<< #1

    o que você protagonizou? por quais experiências passou? do que você se orgulha agora?

    ———————————————-
    2- comece a analisar todos seus erros antes de dar início a um novo checklist;

    ———————————————-

    3- se coloca no poder de decidir o que quer deixar em 2016 e o que quer levar com você;

    atitudes, pessoas, projetos, sonhos, crenças, sentimentos… o que continua hoje fazendo sentido para você?

    ———————————————-

    4- e aí entra o quarto e último ponto para refletirmos juntos…

    quem você quer ser em 2017?

    de novo, o comum é nessa hora as pessoas estarem falando dos planos para 2017, fazendo novos comprometimentos e alimentando a ilusão que “dessa vez vai”.

    ———————————————-

    Fico imensamente grato a você por essa maravilhosa reflexão.

  • Jessica Bicharra

    Texto maravilhoso,muito cabível para o momento,mas tambem para sempre que precisarmos de um novo gás!Parabéns querida!Desejo muita luz para você nesse 2017!Gostaria de tirar um dúvida,iniciei a prática de escrever meus pensamentos,e gostaria de saber,qual ferramenta você indica?Se o papel mesmo,ipad,ou computador,ou mesmo se o app”day one?Pois como quero que se torne um hábito,acho essencial iniciar com as melhores ferramentas!Fico no aguardo de uma sugestão querida!
    Desde já,muito obrigada!

  • Fábia Barros

    Puxa Marina que incrível. Sempre fiquei muito incomodada com estabelecer metas de final de ano porque existia um sentimento de frustração, já que algumas eu já sabia que não iria cumprir. Olhar desta maneira realmente coloca a vida e nossas expectativas em outro nível. Pensar em quem eu quero ser e o que eu quero levar ou deixar pra traz me dá clareza de tudo o que eu quero fazer e a consequência é passo a passo, mês a mês me tornar quem eu me propus a ser! Gratidão por isso! Beijo na alma!